A proscrição decidida pelo Supremo Tribunal de Justiça contra as Testemunhas de Jeová começa a inquietar   Ativistas de direitos humanos estão preocupados com a ligação entre o Kremlin e a Igreja Ortodoxa Russa

Leia Mais…


A proscrição decidida pelo Supremo Tribunal de Justiça contra as Testemunhas de Jeová começa a inquietar

O Co-Presidente do Instituto da liberdade de consciência Sergei Brain disse durante uma conferência de imprensa em Moscow que o legislador da Rússia tomou decisões apressadas sobre os projetos propostos pelo presidente Medvedev no interesse da Igreja Ortodoxa Russa

Estes incluem aulas de religião em escolas públicas e universidades, bem como a criação do serviço militar dos sacerdotes.

14 de janeiro, o jornal Kommersant relatou que Vladimir discutiu sobre impasse projeto de lei para legalizar o imóvel situado no gozo de organizações religiosas, que desde 2007 é considerada no Ministério da Economia.

RIA Novosti com referência ao Observer relatou que o projeto beneficiará principalmente a Igreja Ortodoxa Russa, transformando-a em um grande proprietário imobiliário.

O Patriarca Cirilo falou no Kremlin, na abertura de um simpósio de seis dias, sobre a experiência prática e perspectivas da Igreja de cooperação do Estado no campo da educação.

“Este fórum vai servir para unir as forças sociais na difícil tarefa de transformação espiritual da pátria, o que é impossível sem melhorar todo o sistema de educação.” – disse o chefe da Igreja Russa.

O Co-Presidente do Instituto da liberdade de consciência Sergei Buryanov, indica que a Igreja e Estado na Rússia, estabeleceram uma relação mutuamente benéfica.

“O governo recebe algumas bênçãos, alguns sagrados, – ele acredita – assim como a Igreja Ortodoxa que é a portadora da autoridade, associações religiosas e receberá o imóvel, o financiamento direto e assim por diante.

Alguns manifestaram preocupação de que a crescente cooperação entre o Kremlin e a Igreja Ortodoxa pode causar danos a outras religiões.

Representantes da Associação das Testemunhas de Jeová alegam que seus membros enfrentam prisão por distribuir a revista “A Sentinela”.

Esta preocupação está relacionada ao artigo 282 do Código Penal da Rússia, que proíbe a incitação ao ódio nacional, racial e religiosa.

Muitos acreditam que o texto da lei é vaga e é uma versão moderna da propaganda e proibição de e anti-agitação soviética.

“Em todo o país, estamos vendo um aumento da pressão sobre os nossos fiéis, – disse a representante do Centro Executivo das Testemunhas de Jeová na Rússia Yaroslav Sivulsky.

- Começaram com detenções em massa, prisões, realizadas buscas nas casas dos crentes, lugares de adoração, confisco de publicações religiosas litúrgicas.

Por sua vez, o chefe do programa “Assistência a refugiados políticos do Central Asia, uma organização de direitos humanos Instituto de Assistência Elena Ryabinin observa que as autoridades aproveitar da xenofobia e do medo do terrorismo, descrevendo os radicais muçulmanos.

Falando no Kremlin, o patriarca Cirilo disse que a finalidade das iniciativas educacionais entre Igreja-Estado – cria uma atmosfera de acordo a fim de evitar conflitos étnicos e religiosos.

Mas grupos de direitos humanos pediram o exercício da tolerância e a revogação das leis que, em sua opinião, são patrocinados pela Igreja Ortodoxa Russa.

Fonte: www1.voanews.com

——————————————————————————————-

Rússia: A proscrição decidida pelo Supremo Tribunal de Justiça contra as Testemunhas de Jeová começa a inquietar

Tradução do original em inglês abaixo:

Este artigo foi publicado por F18News em: 15 de janeiro de 2010

RÚSSIA: A proscrição decidida pelo Supremo Tribunal de Justiça contra as Testemunhas de Jeová começa a inquietar

Por Geraldine Fagan, Forum 18 News Service

Apesar de 34 publicações das Testemunhas de Jeová terem sido descritas como extremistas, elas ainda não foram adicionadas à Lista Federal de Materiais Extremistas, o Ministério Público de várias regiões da Rússia começaram a lançar alertas de extremismo contra as comunidades das Testemunhas de Jeová, acabou de saber o Forum 18 News Service. Além disso, no que se pensa ser a primeira instância da Rússia pós-soviética de detenção prorrogada em conexão com a divulgação de crenças, duas Testemunhas de Jeová informalmente acusados de distribuírem literatura extremista na região de Briansk foram detidas durante seis dias por “hooliganismo” mesquinho “. Mikhail Odintsov do Escritório do Provedor de Justiça de Direitos Humanos da Rússia disse ao Forum 18 – salientando o seu ponto de vista pessoal – que havia uma possibilidade real de as Testemunhas de Jeová poderem recorrer com sucesso ao presidente Dmitry Medvedev, para defender seus direitos, se as queixas foram formuladas em termos puramente jurídicos. Ele caracterizou a situação global como “ameaçadora”, sustentando que estava em curso uma “sovietização regressiva”. “Estamos a assistir a um regresso às raízes ideológicas do Estado que não permitem certas organizações religiosas”, observou. “Essas pessoas [as Testemunhas de Jeová] não têm defesa. Qual a defesa que eles têm quando um tribunal de pro-ortodoxos, que está negativamente predisposto para com eles, acredita que uma religião deve ser protegida de outra?”

Trad. por Carlos Queiroz
________________________________________________________________________________

Transcrição parcial de:

http://www.forum18.org/Archive.php?article_id=1395

This article was published by F18News on: 15 January 2010
RUSSIA: Supreme Court ban on Jehovah’s Witnesses begins to bite
By Geraldine Fagan, Forum 18 News Service

Although 34 Jehovah’s Witness publications described as extremist have not yet been added to the Federal List of Extremist Materials, public prosecutors in several Russian regions have begun issuing extremism warnings to Jehovah’s Witness communities, Forum 18 News Service has learnt. Also, in what is thought to be the first instance in post-Soviet Russia of extended detention in connection with sharing beliefs, two Jehovah’s Witnesses informally accused of distributing extremist literature in Bryansk Region were detained for six days for “petty hooliganism”. Mikhail Odintsov of the office of Russia’s Human Rights Ombudsman told Forum 18 – in what he stressed was his personal view – that there was a realistic chance Jehovah’s Witnesses could appeal successfully to President Dmitry Medvedev to defend their rights, if complaints were formulated in purely legal terms. He characterised the overall situation as “threatening”, maintaining that “reverse Sovietisation” was taking place. “We are returning to the ideological roots of state dislike of certain religious organisations,” he remarked. “These people [Jehovah's Witnesses] have no defence. What defence do they have when a court is negatively predisposed towards them, pro-Orthodox, believes that one religion should be protected from another?”